Ouça agora na Rádio

Ouça agora

Sinop: padre volta para a prisão por estupro de coroinhas

Postado em 20 de março de 2022 por

Compartilhar agora.

O padre Nelson Koch, de 54 anos, investigado pela acusação de estupro de vulnerável em Sinop se apresentou, ontem à noite, na Gerência Estadual de Polinter e Capturas, em Cuiabá, e aguarda audiência de custódia. A informação foi confirmada, há pouco, ao Só Notícias, por uma fonte da Polícia Civil.

Contra ele, havia mandado de prisão preventiva em aberto, expedido na última quarta-feira, pela juíza Rosângela Zacarkim dos Santos, da Segunda Vara Criminal de Sinop. Ainda não foi confirmado se Koch será transferido para Sinop ou continuará na capital.

Conforme já informamos, o padre já havia sido preso em Sinop dia 17 de fevereiro. Dia 21, no entanto, o desembargador Marcos Machado deferiu pedido de habeas corpus e concedeu liberdade a Koch, definindo medidas cautelares como comparecimento periódico em juízo singular, em prazo e condições estabelecidas pelo juiz da causa, para informar e justificar atividades civis.

Além disso, também não poderia aproximar com distância mínima de mil metros, ou manter qualquer espécie/forma de contato com as vítimas, seus familiares ou testemunhas, bem como era proibido de se ausentar de Sinop, sem prévia autorização judicial e deveria comunicar à autoridade judiciária eventual mudança de endereço. O desembargador ponderou que as condições pessoais do padre (como não ter anotações criminais pretéritas, possuir endereço certo, e vínculo sacerdotal em ordem religiosa), deveriam “ser valoradas para análise de substituição da prisão preventiva por medidas diversas à prisão”.

À época, no pedido a sustentou que Koch, por exemplo, tem “diploma de curso superior o que lhe confere o direito de permanecer em cela especial”. Por outro lado, a penitenciária não tem cela destinada a pessoas com formação superior, e o padre estaria alocado no raio cinco (evangélico, e voltado à pessoas com perfil de baixa periculosidade), na ala três, com outros 52 reclusos. Além disso, ponderou que por “ser portador de hipertensão, depressão e ansiedade, o paciente faria jus à prisão domiciliar”.

Ao analisar, o desembargador reforçou que a “segregação do paciente em local inadequado viola direito subjetivo, situação que deveria ser do conhecimento das autoridades públicas da Comarca de Sinop. Ele continuou pontuando que “com efeito, o preso diplomado em curso superior tem direito a tratamento diferenciado daquele dispensado ao segregado comum, consistente em seu recolhimento, até o trânsito em julgado de eventual condenação, em cela especial e separado destes últimos”.

“Nesse quadro, ponderados os fundamentos da decisão constritiva, a ausência de convívio entre o paciente e as vítimas, o afastamento das funções de padre e pároco, as condições pessoais do paciente [idade, primariedade, endereço certo e formação superior, bem como a inexistência de cela especial ou local adequado na respectiva unidade prisional], mostra-se pertinente a substituição da custódia preventiva por medidas cautelares alternativas”, justificou.

Já no dia da prisão, o delegado Sergio Ribeiro, informou que “entrevistamos as pessoas que frequentavam a igreja e dois desses adolescentes narraram esses abusos, que começaram passando as mãos nas nádegas, órgãos genitais. Uma das vítimas teria colocado o celular para gravar e filmou o padre o levando para um banheiro no quarto paroquial”.  “Numa entrevista preliminar, o padre lamentou, disse que tudo que ele fez foi consentido, esses relacionamentos que ele teve com esses adolescentes, e se mostrava arrependido dos fatos, chorou porque ia deixar de ser padre, queria preservar também a igreja. Então, a gente lamenta”, acrescentou.

Além do procedimento judicial, a Comissão Especial de Apuração de Possíveis Crimes Sexuais Cometidos na Diocese instaurou procedimento administrativo, cujo prazo de conclusão é de 60 dias. Pessoas ainda serão ouvidas e possíveis provas colhidas.

Em nota, o bispo Dom Canísio Klaus ofereceu “solidariedade e auxílio espiritual e psicológico”. “Ao povo de Deus, desta paróquia e diocese, peço compreensão, orações, solidariedade e misericórdia. Que a luz do Espírito Santo ilumine a nossa igreja nesse momento difícil para um discernimento verdadeiro e justo para todos”.

Anteriormente, o advogado de defesa, Márcio de Deus negou que houve confissão dos possíveis crimes. O advogado também criticou o delegado de Polícia Civil, que à época da prisão explicou em entrevista coletiva que o padre havia dito, no trajeto entre seu sítio e a delegacia, que estava arrependido e as relações com as vítimas seriam consentidas.

Já sobre os vídeos citados pelo delegado, que haveria abuso sexual de menor, o advogado alegou que possivelmente foram editados. Márcio de Deus detalhou ainda que o celular do padre não foi formatado no intuito de apagar possíveis materialidades, e que ele não era ativo nas redes sociais. “Pelo que ele me falou, há uma semana ou um pouco mais, caiu dentro de uma caixa d’agua e estragou. Ele levou para concerto e formataram no lugar que foi consertado. Não tinha interesse nenhum em formatar o celular”.

Hits: 1

Deixe um comentario

Estamos felizes por você ter optado por deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de comentários.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.